Voltar

Uma chuva de estrelas Michelin

25 Novembro, 2016 11:26 | Luis Antunes

Os astrónomos falham quase sempre quando anunciam chuvas de estrelas, mas pelo menos fazem-nos ficar acordados a olhar para o céu. Podemos então pensar, reflectir, sonhar e, no final, a desilusão não é tão grande. Também desta vez houve quem pusesse a circular e quem ampliasse a notícia não confirmada de que Portugal veria duplicado o número de estrelas atribuídas pelo Guia Michelin Espanha e Portugal em 2017. Isso não aconteceu. Houve, isso sim, um reforço significativo do número de estrelas, que passaram de 17 para 26.


Copo meio cheio ou copo meio vazio, a verdade é que parece que definitivamente o Guia Vermelho começa a olhar para Portugal com mais atenção, premiando muitos chefes portugueses onde antes parecia privilegiar uma abordagem internacional, num país que apesar de tudo, tem 900 anos de história e uma (aliás, várias) cozinhas regionais com qualidade, tradição e identidade.


Louvem-se, portanto, os chefes de cozinha portugueses premiados com esta importante distinção (quando ganhou a segunda estrela em 2015, José Avillez declarou que a primeira estrela aumenta 40% a facturação, e a segunda mais 20%). Louvem-se ainda os outros responsáveis pela credibilização da nossa restauração, entre cozinheiros não estrelados, formadores, gastrónomos, comunicadores, clientes, até jornalistas e críticos. Este é um bom momento para todos, e o melhor ainda está para vir, com o aumento de qualidade que por arrasto se disseminará por toda a pirâmide de restaurantes. Há estrelas injustas? Certamente. Há outras que deveriam ser atribuídas? Necessariamente. Mas esta é a altura de festejar.


Na lista destacam-se as primeiras estrelas para os restaurantes Alma, Antiqvvm, Boa Nova, Lab by Sergi Arola, Loco e William, o regresso do L’And e a segunda estrela para o Il Gallo d’Oro e o The Yeatman.


Duas Estrelas


- Villa Joya (desde 1999), Albufeira, chefe de cozinha Dieter Koschina


- Ocean (2012), Porches, Hans Neuner


- Belcanto (2015), Lisboa, José Avillez


- Il Gallo d’Oro (2017), Funchal, Benoît Sinthon


- The Yeatman (2017), Vila Nova de Gaia, Ricardo Costa


Uma Estrela


- Henrique Leis (2001), Almancil, Henrique Leis


- Fortaleza do Guincho (2002), Cascais, Miguel Rocha Vieira


- Willie’s (2006), Vilamoura, Willie Wurger


- Largo do Paço (2009), Amarante, André Silva


- Feitoria (2012), Lisboa, João Rodrigues


- Eleven (2014), Lisboa, Joachim Koerper


- Pedro Lemos (2015), Porto, Pedro Lemos


- São Gabriel (2016), Almancil, Leonel Pereira


- Bon Bon (2016), Carvoeiro, Rui Silvestre


- Alma (2017), Lisboa, Henrique Sá Pessoa


- Antiqvvm (2017), Porto, Vítor Matos


- Casa de Chá da Boa Nova (2017), Leça da Palmeira, Rui Paula


- Lab by Sergi Arola (2017), Sintra, Sergi Arola


- L’And Vineyards (2017), Montemor-o-Novo, Miguel Laffan


- Loco (2017), Lisboa, Alexandre Silva


- William (2017), Funchal, Luís Pestana/Joachim Koerper

Escrever novo comentário
0 Comentário(s)
Explore
© 2017 Revista de Vinhos
Todos os direitos reservados. Política de Privacidade
Media Capital Edições e Prisa Revistas

Ao navegar neste site, está a concordar com o uso de cookies. Mais informaçõesAceitar

Os cookies são importantes para o correto funcionamento de um site. Para melhorar a sua experiência, o site Revista de Vinhos utiliza cookies para lembrar detalhes de início de sessão, recolher estatísticas para optimizar a funcionalidade do site e apresentar conteúdo de acordo com os seus interesses. Caso clique em Aceitar ou se continuar a utilizar este site sem alterar as suas configurações de cookies, está a consentir com a utilização dos mesmos durante a sua navegação no nosso site.

Fechar