Jaen

Um perfume do Dão

 
Partilhar

{ Aromas de amoras, mirtilos e cerejas }

 

Foi um dos maiores mistérios da viticultura portuguesa. O nome espanholado, coadjuvado por outra das sinonímias empregues, Jaen Galego, já poderia indiciar fundamentos para uma indicação das origens mas, durante anos e apesar das suspeitas, ninguém lhe conseguiu adivinhar a paternidade. Hoje já se sabe que a casta Jaen não é mais que a Mencía, casta outrora obscura, casta espanhola do noroeste peninsular. Mencía que, em poucos anos, abandonou a condição de casta ignorada e recôndita para passar a coqueluche mundial, ícone do noroeste peninsular, pilar das denominações de Bierzo, Ribeira Sacra, Valdeorras e Monterrei.

Em Portugal é no Dão que a casta se propaga. Ou melhor é no Dão que a casta existe porque a tentação actual é para o arranque, o abandono, a exclusão. Já foi dominante no Dão, já foi a segunda casta mais plantada (depois da Baga), mas está em franca recessão. Que estranha sorte a desta casta, valorizada e aclamada em Espanha, discriminada e escorraçada no Dão!

É uma casta vigorosa, extraordinariamente produtiva, uma casta que obriga a mondas apertadas sob pena de resultar em vinhos aguados, acídulos, rascantes, de baixo grau alcoólico. Infelizmente, poucos se dão ao trabalho de a manter sob vigilância apertada, com as consequências previsíveis. Por regra é precoce, tem pouca matéria corante e pouca acidez natural. Mas é uma casta perfumada, veemente nas notas frutadas de amora e mirtilo, inflamada nos aromas de cereja.

Levemente rústica, oferece vinhos macios e sedosos, que arredondam rapidamente, simples mas empolgantes. Isto no Dão, porque na Galiza e em El Bierzo a Mencía de vinha velha resulta em vinhos estruturados, fresquíssimos na acidez, intensos nas notas terrosas, frutados q.b., vinhos de enorme personalidade e incrível frescura.

O que pode explicar estas diferenças tão marcantes entre o Dão e a Galiza? Os clones mas, sobretudo, a idade da vinha e o controlo de produtividade…

 

Quer experimentar?

Não é fácil recomendar vinhos extremes da casta Jaen porque os exemplos vivos são raros. A escolha incontestável, o exemplo padrão da casta, é o Quinta das Maias Jaen, o vinho padrão nacional para aferir da bondade da casta. Como testemunho sugerimos o Quinta dos Termos Reserva Jaen, uma visão diferente da casta, uma alternativa de interpretação.

- Quinta das Maias Jaen 2006
- Quinta dos Termos Reserva Jaen 2005

Partilhar
Voltar