Vinhos do Porto e do Douro marcam presença no Brasil

Fotografia: Fotos D.R.
Partilhar

A Região Demarcada do Douro (RDD) será a maior delegação presente no Rio de Janeiro e em São Paulo em mais uma edição do evento VINHOS DE PORTUGAL, numa organização dos jornais PÚBLICO, Época, O Globo e Valor Econômico, em parceria com a ViniPortugal.

 

Provenientes da região do Douro, 36 produtores marcam presença nesta ocasião e o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto I.P. (IVDP) participa mais uma vez, promovendo 12 atividades com o objetivo de explorar a versatilidade dos seus vinhos, dando a oportunidade ao público de experimentar rótulos do Porto raros e do Douro de excepcional qualidade, num mercado que é estratégico. Em 2017, os vinhos do Douro e do Porto obtiveram um dos melhores resultados da história, com um crescimento de 26% (3,5 milhões de garrafas e 9,5 milhões de euros). 

“Vinhos do Porto de Sonho” e “Grandes Vinhos do Douro” serão as duas provas especiais que terão lugar nestas cidades, conduzidas pelo reconhecido jornalista e especialista de vinhos Manuel Carvalho, dando ênfase à autenticidade e qualidade dos vinhos da mais antiga região demarcada do mundo.

A novidade deste ano será a atividade “O Douro na primeira pessoa”, que ocupará o espaço “Tomar um copo”, numa conversa informal em torno dos vinhos. O bate-papo reunirá o jornalista Manuel Carvalho e os produtores durienses Domingos Alves de Sousa, Laura Regueiro, Dirk Niepoort, Pedro Branco, Jorge Seródio Borges, Sofia Prazeres e Pedro Canedo.

Para o presidente do IVDP, Manuel de Novaes Cabral, “o Brasil é um país que acolhe com força este tipo de ação do IVDP, já que a experiência nos mostra que as provas estão na maioria das vezes esgotadas. O Brasil é um mercado estratégico e muito importante para os vinhos da Região Demarcada do Douro, não só pela sua dimensão, mas pelo perfil do consumidor desejoso de experiências novas e enriquecedoras, o que é uma excelente oportunidade para a contínua aposta na valorização do produto”, conclui Manuel de Novaes Cabral.

Esta será a segunda edição em São Paulo, com 84 produtores, e a quinta no Rio de Janeiro, que contará com 80 produtores portugueses. Trata-se da maior edição do VINHOS DE PORTUGAL desde a sua estreia, em 2014, e o maior evento de vinhos portugueses para consumidores no exterior. 

 

Programa das atividades do IVDP

Rio de Janeiro | CasaShopping

Sexta-feira, 1 de Junho
15:00h - Grande Vinhos do Douro | Manuel Carvalho 
18:30h - Tomar um copo: Douro na Primeira Pessoa | Jorge Serôdio Borges * Wine & Soul
Sábado, 2 de Junho
13:30h - Vinhos do Porto de sonho | Manuel Carvalho 
16:30h - Tomar um copo: Douro na Primeira Pessoa | Pedro Branco * Quinta do Portal
20:30h - Tomar um copo: Douro na Primeira Pessoa | Laura Regueiro * Quinta da Casa Amarela
Domingo, 3/06
13:30h - Tomar um Copo: Douro na primeira pessoa | Domingos Alves de Sousa * Quinta da Gaivosa

São Paulo | JK Iguatemi

Sexta-feira, 8 de Junho
13:00h - Grande Vinhos do Douro | Manuel Carvalho 
17:30h - Tomar um Copo: Douro na Primeira Pessoa | Dirk Niepoort * Niepoort Vinhos
Sábado, 9 de Junho
13:30h - Tomar um copo: Douro na primeira pessoa | Pedro Canedo * Quinta Nova Nª Senhora do Carmo 
19:30h - Tomar um copo: Douro na primeira pessoa | Jorge Serôdio Borges * Wine & Soul
21:00h - Prova Vinhos do Porto de Sonho | Manuel Carvalho 
Domingo, 10 de Junho
14:30h - Tomar um copo: Douro na primeira pessoa | Sofia Prazeres * Quinta de S. José

A exportação de Vinhos da Região Demarcada do Douro para o BRASIL

Em 2017, as exportações de vinhos da RDD para o Brasil representaram 22% do valor total exportado de vinhos portugueses para esse mercado (44M€). 

Com efeito, no ano passado exportaram-se para o Brasil 69 mil caixas (+9,9%) de Vinho do Porto, no valor de 2,8 milhões de euros (+14,4%). Este foi um ano muito positivo para o setor neste mercado, inclusive registando um crescimento de 4,1% no preço.

Quanto aos Vinhos do Douro, 2017 veio a ser o melhor ano da história, com as exportações de DOP Douro para o Brasil a atingirem 224 mil caixas (+33,6%), no valor de 6,5 milhões de euros (+31,6%), o que permitiu ao Brasil subir no ranking (em valor) dos principais mercados para este vinho, ocupando a terceira posição.

Partilhar
Voltar