Poças lança II edição do Quinado com mais de 40 anos

Fotografia: Fotos D.R.
Partilhar
Redação

Redação

Garrafas exclusivas de história, memória e cultura.

 

O vinho Quinado da Poças é cultura do vinho em estado puro. A tradicional casa portuguesa de Vinho do Porto e Douro reedita um clássico raro, muito apreciado no Brasil e nas antigas colónias portuguesas de África, onde era usado como preventivo para a malária. São 150 garrafas de história para celebrar 100 anos de vida da casa. 

Um ano depois, a Poças lança a II edição de um vinho invulgar, que foi buscar aos tesouros que a empresa guarda com cuidado e que, neste ano de centenário, lhe possibilita lançar, além do Quinado, um Vinho do Porto Muito Velho. A história do Quinado começou há mais de quatro décadas, quando o antigo provador da casa , Miguel Pinto Hespanhol, criou este vinho. “é um vinho que mistura as características de um tawny velho com o amargo da quinina e a exuberância aromática de um conjunto de essências que terão sido utilizadas na altura da sua elaboração”, esclarece o enólogo da Poças, Jorge Pintão. 
O carácter farmacêutico integra a vida deste vinho licoroso, aromatizado e com qualidades terapêuticas contra a malária, advindas da quinina adicionada em doses mínimas. Note-se, no entanto, o Quinado era igualmente um produto de prazer, muito apreciado como aperitivo, como observa o crítico de vinhos João Paulo Martins no seu livro O prazer do Vinho do Porto. 

“No ano em que a Poças faz 100 anos, este relançamento do Quinado é mais uma forma de contarmos a nossa história e de celebrarmos o centenário”, testemunha Pedro Poças Pintão, diretor de Marketing e Comunicação, ao anunciar a edição limitada do segundo conjunto de 150 garrafas de vinho Quinado, que a empresa tem em stock, destinadas ao “prazer esclarecido e curioso de apreciadores de produtos únicos”, conclui. 
Está é, aliás, uma celebração também do Douro, acrescenta o enólogo Jorge Pintão: “A Poças tem vinhos DOC Douro, vinhos do Porto, Moscatel e também o Quinado. Ao todo são 25 vinhos. Uma região demarcada que nos permite criar 25 vinhos é algo fantástico. É incrível poder trabalhar neste lugar e neste Douro de viticultura de montanha que nos permite tanta diversidade de produtos”.

Gloriosa história 

O vinho quinado teve no passado grande prestígio, principalmente o Vinho do Porto Quinado. Este vinho “tem uma gloriosa história que remonta ao século XVII”, refere o historiador Joaquim Gonçalves Guimarães na publicação Douro – Estudos e Documento, vol. VII: a arte de artificiar os vinhos.  
Vinho licoroso ao qual se adiciona uma pequena quantidade de quinina, substância extraída da casca seca das quineiras ou quinquinas, o vinho Quinado, já era usado na América Latina quando os europeus ali chegaram, conta Joaquim Guimarães. Os jesuítas terão percebido a sua eficácia no tratamento da malária, pensando-se que a quinina terá sido trazida do Perú para Portugal e depois Espanha. 
Em meados do século XIX, Portugal tenta cultivar quineiras em várias colónias, mas só tem sucesso em S. Tomé, sendo o quinino aí extraído todo absorvido pelo mercado nacional para a preparação de vinho de quina. Percebe-se, portanto, que as casas do Douro, exportadoras de vinhos para África e Brasil, tenham criado os seus quinados e que este vinho artificializado seja uma memória quase mítica em alguns desses países. 


Poças Quinado // PVP 165 euros 

Partilhar
Voltar