Consumo mundial de vinho estabiliza

Fotografia: Fotos D.R.
Partilhar
Redação

Redação

O consumo mundial de vinho estabilizou, em 2018, nos 246 milhões de hectolitros, uma performance “influenciada principalmente pela queda do consumo na China e no Reino Unido”, com menos 6,6% e menos 3,1%, respetivamente, para 18 milhões e 12,3 milhões de hectolitros, revelou a OIV, em conferência de imprensa, em Paris.


O maior consumidor mundial, em termos absolutos, são os Estados Unidos, com 33 milhões de hectolitros, mais 1,1% do que no ano anterior. Com a França, a Itália, a Alemanha e a China, são responsáveis por quase metade do consumo mundial de vinho.

Em termos de produção, Portugal é dos poucos países onde a superfície vitícola recuou em 2018. Temos, agora, 192 mil hectares de vinha, dois mil hectares a menos do que no ano anterior, fruto de algum abandono da vinha, mas, também, dos incêndios dos últimos anos. Portugal ocupa a 9ª posição no top dos países como maior área vitícola do mundo, mas a Roménia, com 191 mil hectares, está já muito próxima.

Em termos de produção, e num ano em que a vindima foi curta, Portugal ocupa o 12º lugar na tabela dos maiores produtores de vinho do mundo, com 6,1 milhões de hectolitros, menos 10% do que em 2017. A produção mundial de vinho cresceu o ano passado 17% para 292,3 milhões de hectolitros.

Quanto às exportações, Portugal mantém-se o nono lugar na tabela mundial, quer em valor quer em volume.

Partilhar
Voltar