A sua revista, 30 anos depois

Ano de 1989. Cai o Muro de Berlim, George H.W. Bush e Mikhail Gorbachov anunciam o fim da Guerra Fria. Nicolae Ceausescu é deposto na Roménia, a Polónia conhece eleições livres, João Paulo II visita Timor-Leste sob domínio indonésio. O pintor catalão Salvador Dali e o Imperador Hirohito do Japão morrem. A então CEE faz entrar em vigor o Protocolo de Montréal para proteção da camada de ozono.

Em Portugal, faz-se a segunda revisão constitucional. Entra em vigor um novo imposto, o IRS. Jorge Sampaio ganha a Câmara de Lisboa a Marcelo Rebelo de Sousa, que nada nas águas no Tejo. Otelo Saraiva de Carvalho sai da prisão, há cheias violentas no Algarve, os polícias reivindicam sindicato em manifestação conhecida como “secos e molhados”. Fazem-se várias privatizações parciais de grandes empresas e instituições financeiras. Acabam-se as rádios pirata e há luz verde para a criação de canais privados de televisão. 

Dezembro de 1989. Nasce a Revista de Vinhos.

Em três décadas esta publicação acompanhou e registou a evolução do vinho português...  e teve o privilégio de assistir a uma das maiores evoluções da economia e cultura portuguesa! A sua publicação contribuiu para mudar a forma como o vinho era visto em Portugal, apresentando-o não como um produto mas como algo a valorizar pela qualidade intrínseca e pela capacidade de expressar a cultura e identidade de um povo. Simultaneamente, centenas de novos protagonistas foram surgindo, crescendo e assumindo-se como agentes de mudança e de desenvolvimento. A viticultura apurou-se, as adegas ficaram mais tecnológicas, houve modas que se transformaram em tendências e outras que se esboroaram num ápice.

A Revista acompanhou: milhares e milhares de vinhos provados e classificados, milhares de fotografias tiradas e milhões de caracteres publicados. Reforçou-se o conhecimento do público português sobre vinho e o leitor/consumidor, cada vez mais informado, curioso e exigente, também foi fator de evolução junto do sector. Os méritos da criação e da afirmação da Revista de Vinhos como a publicação de referência devem ser dirigidos à respetiva equipa fundadora, bem como aos sucessivos grupos de Comunicação Social que a integraram. Mas como qualquer outra publicação, generalista ou especializada, de Portugal ou do mundo, o sucesso de 30 anos de edições mensais deve-se a si, leitor.

Quando em 2017 assumi a direção da Revista de Vinhos estava ciente da responsabilidade de tal legado. Estava também plenamente consciente que só se poderiam escrever outros 30 anos de sucesso com a vontade férrea de fazer mais e melhor, não só porque a voracidade dos dias de hoje, não sendo comparável com a existente nas décadas anteriores, assim o exige, mas especialmente devido à experiência acumulada e à vontade de inovar, que é marca da equipa que assumiu a gestão da Revista. 

Em três anos, consolidamos uma nova equipa redatorial e de provadores, de fotógrafos e de designers. O mais importante título português da imprensa especializada em vinho e gastronomia é hoje totalmente detido pelo Grupo Essência do Vinho. Ou seja, é hoje totalmente português.
Isso permitiu-nos traçar e definir o nosso rumo.  Com independência. Sem concessões. Uma linha editorial que valoriza o mérito e premeia os novos valores. Que acompanha tendências. Que evolui. A atual Revista de Vinhos está para durar e não para ficar parada no tempo.
Transpusemos a Revista para a rádio (Renascença), para a televisão (RTP3 e RTP Internacional) e para o online, desenvolvendo as redes sociais e colocando-a no “top 5” das publicações mundiais especializadas em vinho com maior número de seguidores. Mantivemos o Encontro anual de sempre, no local de sempre, mas renovamos imagem e programação, conquistando novos públicos. Continuamos a realizar a mais profissional e impactante cerimónia anual de prémios do sector e criamos novos formatos para incentivar a reflexão estratégica.  Trouxemos para Portugal o mais famoso programa televisivo de vinhos do mundo – The Wine Show, cuja terceira temporada põe em foco o nosso país, levando-o, com difusão em 2020, a mais de uma centena de países.

Convenhamos, que em menos de três anos, revolucionamos a Revista de Vinhos com a nossa forma de ser, de estar e de trabalhar. A diferença está à vista.  Uma audiência suplementar, um aumento da abrangência da comunicação do vinho e da gastronomia de Portugal. 
Como seu diretor, respeito o passado e quem o escreveu mas o meu foco é o futuro. Não sei se por aqui estarei em 2049, mas acredito que nos próximos 30 anos esta Revista de Vinhos continuará a registar a história do vinho português, mas e acima de tudo, continuará trabalhar para apoiar o esforço de evolução e a afirmação do vinho português. 

Ao leitor que torna tudo isto possível, o meu sincero e profundo reconhecimento numa só palavra: Obrigado! Votos de Boas Festas.


OS MELHORES DO ANO 2019
Mais uma vez, serão desvendados os Melhores do Ano, numa cerimónia que irá em simultâneo celebrar os 30 anos da Revista de Vinhos. Na Alfândega do Porto, a 4 de fevereiro de 2020.

Essência do Vinho – Porto 2020
A maior experiência do vinho em Portugal estará de regresso ao Palácio da Bolsa, de 20 a 23 de fevereiro de 2020. No seu decurso, será eleito o TOP 10 Vinhos Portugueses pela Revista de Vinhos, por um vasto painel de provadores nacionais e internacionais, entre jornalistas, críticos de vinho, sommeliers, wine educators e importadores.

)
Partilhar
Voltar